terça-feira, 21 de junho de 2011

Acreditar

A estrutura organizativa e de gestão, quer nacional quer local, está assente nas organizações políticas, leia-se partidos políticos. Estas estruturas têm hoje uma imagem de descrença generalizada por parte dos cidadãos.
Ética e dignidade são conceitos que devem ser devolvidos á actividade política-partidária. É no interior dos partidos que estes conceitos mais deviam ser respeitados e onde as discussões deveriam assumir carácter político e não pessoal.
A democracia, mesmo no interior dos partidos, não é, nem pode ser, só para elites. É um regime de homens comuns para homens comuns.
Em mais de 25 anos de militância partidária tenho assistido a sucessivos apelos em prol da discussão salutar e da renovação de ideias e ideais, assim como de novas atitudes que parecem ter grandes dificuldades em chegarem.
Há uma sempre crescente vontade de mudança, não de pessoas mas de ideias e atitudes  e acredito que é ainda possível, porque não dizer necessário, uma ampla renovação de práticas que abram a porta dos partidos á militância e aproxime os partidos dos cidadãos, envolvendo-os nas causas públicas.
Continuo a acreditar que é possível com uma prática de rigor, seriedade e a atitude assente na valorização crítica de ideias e sem conceitos pré-definidos, mantendo a dignidade e o respeito pela discussão, chegar mais longe na solidez da democracia.

Recuso-me a desistir de lutar por um melhor futuro!